Ano XIII | Edição 723 | 18 de Dezembro de 2014

POLÍCIA

12 de Dezembro de 2014

Catequista é preso suspeito de integrar rede de pornografia juvenil

noticia

Rafael Ramos é catequista e acusado de pedofilia

Um jovem de 21 anos, que recentemente trabalhou como catequista em uma igreja na cidade de Goianinha, município distante pouco mais de 50 quilômetros de Natal, foi preso na manhã da última quarta-feira (10) suspeito de participar de uma rede de distribuição de fotos e vídeos com imagens de adolescentes nus. O delegado Wellington Guedes disse que o material era compartilhado pela internet e por meio de aplicativos de celular. 

"Em depoimento, Rafael Ramos da Silva revelou que alguns dos destinatários são seminaristas, padres, monges, coroinhas, dentre outras pessoas ligadas à Igreja Católica de cidades potiguares e de municípios nos estados da Paraíba, Ceará, Minas Gerais e São Paulo", acrescentou.

A Arquidiocese de Natal preferiu não se pronunciar sobre o caso no momento, mas informou que vai acompanhar o andamento das investigações.

"Estamos diante de fortíssimos indícios de uma grande rede de pornografia juvenil", acrescentou Guedes. O delegado explicou que o suspeito deixou de auxilar nos trabalhos religiosos há duas semanas, tendo sido cortado por falta de condições de pagamento da igreja. Contudo, ele foi preso em cumprimento a uma ordem judicial expedida pela Justiça. "Ele foi preso porque, depois de ser dispensado, passou a extorquir um padre, alegando ter fotos do sacerdote sem roupas. No notebook do catequista, encontramos diversas imagens de adolescentes pelados. Alguns deles, em posições eróticas, pornográficas", contou.

Ainda segundo Guedes, Rafael admitiu fazer parte do esquema e revelou a participação de religiosos na rede, além de confirmar que chantageava o padre.

"Além de todo o material que encontramos, ele confessou tudo. Disse que estava exigindo dinheiro, aparelhos celulares e encontros amorosos com o padre", relatou. "Agora estamos trabalhando para tentar identificar quem são os demais envolvidos na rede. Tem muita gente. As fotos e os vídeos eram compartilhados principalmente pelo Facebook, grupos de WhatsApp e Skype", acrescentou.

O delegado disse que a apuração ainda está em estágio preliminar, mas que já há provas suficientes para indiciá-lo por extorsão e crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente, caso do armazenamento e distribuição das imagens que envolvem os menores nus. "Ele vai permanecer preso. O computador e o telefone celular dele estão apreendidos e serão encaminhados para perícia", finalizou. 

Jovem é assassinado com tiros na cabeça, no Bom Pastor

noticias 12 de Dezembro de 2014

Wildson da Silva foi morto ao sair de uma delegacia

Wildson Ferreira da Silva, de 24 anos, foi morto a tiros, na noite da última quarta-feira (10), na avenida Capitão Mor Gouveia, no Bom Pastor. O jovem estava caminhando por uma calçada, quando dois homens se aproximaram em uma motocicleta e o executaram com tiros na cabeça.

A vítima tinha acabado de sair da Delegacia Especializada em Atendimento ao Adolescente Infrator (DEA), onde prestou depoimento, após ser conduzido por policiais militares. Os dois homens em uma moto o seguiram e, ao se aproximarem de Wildson, o garupa desceu e atirou várias vezes.

O delegado Raimundo Rolim, que tinha colhido depoimento de Wildson momentos antes do assassinato, disse que o jovem chegou conduzido pela Polícia Militar, juntamente com um adolescente.

“O menor estava com uma quantidade de droga para consumo e, por isso, entendi que não tinha como autuar, ouvir o depoimento dos envolvidos e os liberei. Pouco tempo depois tomei conhecimento da morte”, relatou o delegado. O corpo de Wildson foi levado para o ITEP. 

Policia combate operação ao tráfico de drogas no RN e em vários estados do Brasil

noticias 12 de Dezembro de 2014

Durante as investigações, foram apreendidas quase 20 toneladas de drogas

Uma operação para combater o tráfico de drogas no Nordeste revela como a quadrilha que age dentro e fora dos presídios paulistas se espalha pelo Brasil e América do Sul. A imprensa teve acesso a conversas telefônicas que mostram reuniões de negócios entre presos em diferentes cadeias. Uma teleconferência do crime. 

Armas, drogas, dinheiro. Imagens de uma operação, realizada para combater a principal quadrilha que age dentro e fora dos presídios paulistas.  Ao todo, foram decretadas 223 prisões. E 154 criminosos já estavam na cadeia e receberam voz de prisão dentro da própria cela. 

A operação começou no RN, onde a quadrilha atua desde 2010. E chegou em SP, PR e PB.  Foram 10 meses de investigações. Nesse tempo, Polícia Rodoviária Federal e Ministério Público mapearam as estradas e as cidades por onde a droga passa antes ser distribuída aqui no Nordeste. 

"A droga vem do Paraguai passando pelo Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, chega na Bahia e da BA é distribuída para os demais estados do Nordeste. Tem uma rota também por SP.", explica Marcelo Montenegro, superintendente da Polícia Rodoviária Federal - RN. 

 

APREENSÕES

Durante essa investigação, foram apreendidas quase 20 toneladas de drogas. "Nós temos aí 75 flagrantes nesses últimos 10 meses, produzidos a partir dessas informações dessa investigação do Ministério Público", conta Marcelo Montenegro. 

A imprensa teve acesso às imagens e gravações telefônicas que ajudaram a identificar os criminosos da facção. Um deles, é o empresáriuo de Natal, Robson Batista Marinho, que que comprava droga em São Paulo e revendia no Nordeste. 

Na  terça-feira, dia 2 de dezembro, Robson foi preso. E ao ser perguntado sobre qual é o envolvimento dele com a quadrilha de São Paulo, ele não respondeu e continuou andando até o camburão. 

Toda essa movimentação esbarra em um problema que já é conhecido das autoridades. "Dentro dos presídios, com o celular, eles controlam tudo. Se o Estado infelizmente não faz isso, não enfrenta o crime organizado, resulta nisso aí", diz Henrique Baltazar, juiz da Vara de Execução Penal. 

"Isso é um problema de estrutura que existe em quase todas as cadeias e presídios de nosso País. Há uma necessidade de equiparmos essas unidades prisionais e, paralelamente, há uma política no país de que as operadoras de celular sejam obrigadas a bloquear os sinais de celular", conta Júlio César Costa, secretário de Estado da Justiça e Cidadania 

A investigação do Ministério Público revela que a quadrilha que age dentro e fora dos presídios paulistas passava quase que diariamente orientações para criminosos do Nordeste. As conversas eram por teleconferência. Presos de várias cadeias do Brasil chegavam a ficar mais de uma hora no telefone. 

"Pessoas do RN, do PR, da PB, programando crimes, organizando crimes e fazendo relatórios. É uma reunião empresarial", diz Henrique Baltazar, juiz da Vara de Execução Penal.  Reuniões feitas também por mensagens de celular. Em uma conversa, um preso pede atendimento médico para um companheiro que foi baleado fora da cadeia. E a investigação mostra que essa estrutura ultrapassa fronteiras. 

Eles agem fora do País mas as ordens continuam saindo do mesmo lugar. É o que diz um preso em depoimento ao Ministério Público, ele já participou da facção e não pode ser identificado. 

"É uma organização criminosa a nível nacional. Se as secretarias de todo País não se unem para combater esses grupos criminosos, é difícil funcionar.", afirma Henrique Baltazar.

O superintendente da Polícia Federal no Rio Grande do Norte, Kandy Takahashi, foi entrevistado por uma TV local e falou sobre o trabalho que vem sendo realizado na repressão ao tráfico de drogas. De acordo com ele, o crime organizado está "sob controle" no Estado e a PF tem mapeado, identificado e retirado de circulação criminosos.

Ainda de acordo com Kandy Takahashi, o RN tem recebido drogas, principalmente maconha e crack, vindas do Paraguai. 


JM